A sétima para o 10! Lionel Messi conquista mais uma Bola de Ouro


Foto: Toledo News

A revista francesa France Football entregou na última segunda-feira, 29, o seu tradicional prêmio para o melhor jogador de futebol do mundo na temporada. A premiação é entregue desde 1956 e entre 2010 e 2015 foi distribuída em parceria com a premiação da FIFA.

Nesta edição quem venceu foi mais uma vez Lionel Messi, que chegou a sua sétima Bola de Ouro. Antes ele já tinha levado a premiação para casa em 2009; 2010; 2011; 2012; 2015; e 2019. Em 2020 a France Football não entregou a honraria devido a pandemia causada pelo Novo Coronavírus (Covid-19), ou seja, a Bola de Ouro era de Messi e assim seguirá.

Mas agora vamos aos números da temporada da lenda argentina. Com a camisa do Barcelona, o atleta fez 47 jogos, com 38 gols e 14 assistências, ou seja 52 participações diretas em gols. Na temporada, ele conquistou o título da Copa do Rey da Espanha.

Apesar dos bons números com a camisa do clube catalão, o que fez a diferença para o prêmio de Messi foi a conquista da Copa América pela seleção argentina, seu primeiro título com a camisa albiceleste. 

Na competição, Messi obteve grande destaque, sendo um dos artilheiros com quatro gols e eleito o melhor jogador, mesmo sem uma grande atuação na decisão. Essa conquista tirou um peso dos ombros do craque por nunca ter conquistado títulos com o seu país e o colocou como favorito na disputa da Bola de Ouro.

Mas vamos aos fatos. Lionel Messi realmente mereceu a sua sétima Bola de Ouro? É óbvio que essa foi a única Bola de Ouro do gênio que pode de alguma forma ser contestada, pois nas outras seis não teve para ninguém.

Vamos aos principais concorrentes. O atacante belga, Romelu Lukaku foi apenas o 12º colocado na premiação, merecia mais, mas mesmo sendo campeão italiano e o melhor jogador da competição não foi superior a Messi. 

Agora vamos aos cinco primeiros colocados. Tivemos duas figuras do Chelsea, campeão da UEFA Champions League entre eles, Kanté e Jorginho. Ambos fizeram grande temporada e foram peças importantíssimas para o clube inglês levar a competição mais importante do futebol mundial. Kanté fez uma final sensacional e Jorginho ainda fez uma Eurocopa excelente e foi campeão com a Itália. São bons motivos para os dois estarem na briga, mas lembremos que se trata de uma premiação individual e aí os dois não superam o extraterrestre, Lionel Messi.

Se os dois jogadores do Chelsea não superaram Messi, passamos a ter apenas dois oponentes. O francês, Karim Benzema ficou em 4º lugar e fez uma temporada fantástica, sendo o grande destaque de um Real Madrid sem conquistas e semifinalista da Champions League. Na temporada o atacante francês fez 46 jogos, com 30 gols e nove assistências, chegando a 39 participações em gols. Ele também fez uma boa Eurocopa pela França, mas parou ainda nas oitavas de final. Mesmo com todos esses atributos, ele não fez uma temporada superior a do argentino, tanto em números, quanto em conquistas.

Agora só nos resta o polonês Robert Lewandowski. O atacante do Bayern de Munique fez uma belíssima temporada. Foram 40 jogos, com 48 gols e nove assistências, o que lhe rendeu 57 participações em gols. Os números de Lewandowski são superiores em gols e média de gols, mas para tirar o prêmio de Lionel Messi ainda é preciso de mais, pois a lenda joga de forma mágica e encantadora e o futebol praticado pelo polonês é mais simples e baseado na eficiência. Nesse caso, faltou a Lewandowski a Champions League para superar Messi.

Eu não acharia uma loucura se Lewandowski fosse o vencedor, mas contestar o prêmio para Messi também não é possível. Como contestar o melhor da história? Esse mero colunista não seria capaz disso.

Lembrando que com essa conquista, Lionel Messi se iguala a Pelé como o maior vencedor da Bola de Ouro. Em uma coluna futura haverá o debate sobre os melhores de todos os tempos no futebol mundial.

* As informações contidas nos artigos de colunistas, não necessáriamente, expressam a opinião do Toledo News.

Kelvin Polasso

Kelvin Polasso é jornalista, formado em 2018 no Campus de Toledo do Centro Universitário FAG. Atualmente cursa marketing no Centro Universitário Uningá. No momento atua na área jornalística e tem experiência na cobertura de eventos esportivos em Toledo e no Paraná. Kelvin não esconde o seu amor, paixão e entusiasmo quando fala sobre esporte e também deixa evidente que torce pelo Grêmio, mas podem ficar tranquilos que quando houver alguma análise a sua ‘alma castelhana’ não irá pesar.