Rocket Barbearia: Mais do que um corte de cabelo, uma experiência
 
Domingo, 26 de Maio de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9800-7080

Apagão deixa Venezuela paralisada pelo 4º dia consecutivo

Mundo | 11/03/2019 | 17:49 |
| Fotos: Notícias ao Minuto |
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A maioria dos estados da Venezuela continuam sem energia elétrica nesta segunda-feira (11), no quarto dia de apagão enfrentado pelo país. O fornecimento de energia foi reestabelecido apenas de forma parcial desde o primeiro dia de blecaute, na última quinta-feira (7).

Pelo menos 21 zonas da região Metropolitana de Caracas já estão com luz novamente. O apagão é chamado pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro, de uma "sabotagem" internacional e "brutal contra o sistema de geração elétrica" na usina de Guri, no estado de Bolívar, organizada pelos Estados Unidos.

Ontem (10), diversas pessoas foram às ruas de Caracas para protestar contra o blecaute e a falta do serviço telefônico. Durante pronunciamento no fim de semana, o líder chavista ainda ressaltou que a restituição da energia foi impedida por causa de um ataque cibernético.

Já o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, afirma que o apagão está relacionado a falta de manutenção e corrupção do governo. Guaidó, inclusive, enviou para a Assembleia Nacional um pedido para decretar estado de emergência em todo o território nacional. A decisão foi anunciada no Twitter e será uma das formas de impor um alerta devido à calamidade pública causada pela queda de energia.

Segundo o documento, o estado de emergência será decretado por um período de 30 dias, podendo ser prorrogado por mais 30. Todas as aulas e atividades de escritórios públicos permanecem suspensas, informou o ministro da Comunicação, Jorge Rodriguez. Crise nos hospitais Os centros médicos do país já estavam em crise devido à falta de medicamentos, equipamentos e suprimentos. No entanto, a situação foi agravada nos últimos dias devido a falta de energia. A oposição relata que pelo menos 17 pessoas morreram em um hospital do estado de Monagas, no nordeste da Venezuela. (ANSA)

PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL