Sua empresa vai fazer alguma promoção? Anuncie ela neste espaço
 
Quarta-Feira, 19 de Junho de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9800-7080

Juiz bloqueia US$ 6 bilhões para construção de muro na fronteira de EUA e México

Mundo | 25/05/2019 | 10:35 |
| Fotos: Charlie Riedel/AP |
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um juiz federal dos Estados Unidos emitiu nesta sexta-feira (24) uma ordem que bloqueia temporariamente a decisão do presidente Donald Trump de desviar 6,6 bilhões de dólares do orçamento do Pentágono e do Tesouro para a construção de um muro na fronteira com o México.

Trump declara emergência nacional para financiar muro na fronteira com o México

O magistrado Haywood Gilliam, do tribunal de Oakland, Califórnia, deu razão a uma coalizão formada por 20 estados, em sua maioria governada por democratas, uma organização ambiental e outra de defesa dos direitos civis, que processaram o governo federal.

"A posição que, quando o Congresso rejeita a solicitação do Executivo para alocar recursos, o Executivo pode simplesmente encontrar uma fórmula para gastar os fundos 'sem o Congresso', não se encaixa com os princípios fundamentais da separação de poderes que se remetem à origem da República", declarou Gilliam.

O Congresso aprovou em fevereiro 1,375 bilhão de dólares para a construção do muro, muito longe dos 5,7 bilhões de dólares exigidos por Trump. Ele então declarou emergência nacional na fronteira sul, com o objetivo de obter os fundos sem necessidade da autorização do Legislativo, cuja Câmara Baixa é controlada pelos democratas.

Com a emergência nacional, o governo realocou para o muro cerca de 6,6 bilhões de dólares previamente aprovados para o Pentágono e o Departamento do Tesouro. Somada ao 1,375 bilhão de dólares destinados pelo Congresso, a verba desviada serviria para a construção de aproximadamente 376 quilômetros de muro, permitindo ao presidente começar a cumprir sua principal promessa de campanha.

A decisão desta sexta-feira, que é temporária e urgente enquanto o juiz segue estudando o caso, antes de tomar uma decisão final, vem justamente uma semana depois de tanto o governo quanto as partes litigantes defenderem suas posições nos tribunais.

PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL