Vereador Gilson Francisco é afastado do cargo pela Justiça


Foto: Arquivo Pessoal

O vereador Gilson Francisco (Cidadania) foi afastado do cargo pela Justiça a pedido do Ministério Público do Paraná (MPPR). Ele também foi impedido de acessar e frequentar as dependências da Câmara de Vereadores de Toledo, além de estabelecer qualquer tipo de contato com pessoas que estejam relacionadas ao processo.

A investigação foi realizada pela 4ª Promotoria de Justiça da Comarca de Toledo, que tem a prerrogativa de atuar na defesa do patrimônio público. A apuração é referente a um possível crime de concussão (é a atitude de uma pessoa que tem ou vai assumir um cargo público, e utiliza esse cargo, para exigir para si ou para um terceiro alguma vantagem indevida).

 

De acordo com o apurado pelo MPPR, o vereador teria exigido que Valderi Giovani Muller, o seu assessor parlamentar realizasse um empréstimo consignado no valor de R$ 44 mil e que repassasse para ele o montante de R$ 32 mil.

O valor repassado através do empréstimo seria um pedido do vereador para que ele efetivasse o assessor pelos quatro anos de mandato. O processo conta com a gravação de uma conversa em que o fato é descrito.

A liminar pedindo pelo afastamento do vereador foi deferida na última terça-feira, 23, pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de Toledo. Em um primeiro momento, a Promotoria de Justiça pediu a interrupção dos vencimentos de Gilson no cargo de vereador e também a sua prisão preventiva, no entanto tais atos foram indeferidos pelo Judiciário. A informação é de que o MPPR irá recorrer dessa decisão.

Comissão de Ética e Decoro Parlamentar

A situação também está sendo investigada na Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara de Vereadores de Toledo. As partes envolvidas no caso estão sendo ouvidas, assim como testemunhas de acusação e de defesa. A Comissão também teve acesso a todas as provas apresentadas pela acusação. Uma nova oitiva estava marcada para esta quarta-feira (24).

Com informações do setor de Comunicação do MPPR.