Quarta-Feira, 16 de Outubro de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9800-7080
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dólar dispara com corte de juros pelo BC e vai a R$ 4,16

Brasil | 19/09/2019 | 18:57 |

A decisão de Banco Central de reduzir a taxa Selic e sinalizar novos cortes pela frente, o que poderia levar os juros básicos da economia para abaixo de 5%, fez o real ser a moeda com pior desempenho ante a divisa americana nesta quinta-feira, considerando uma cesta de 34 moedas. O corte das taxas em ritmo mais intenso que em outros países deixa o Brasil menos atrativo para investidores internacionais, por isso o desempenho pior aqui na comparação com outros emergentes, com operadores relatando saída de capital externo. Para pressionar ainda mais o câmbio, a questão comercial entre Estados Unidos e China voltou a ganhar destaque, com notícias de disposição da Casa Branca de adotar mais tarifas sobre produtos chineses. No mercado à vista, o dólar fechou em alta de 1,44%, a R$ 4,1628, o maior nível desde o dia 3 deste mês (R$ 4,1790).

O dólar começou o dia em alta e seguiu assim por todo o pregão. Profissionais do mercado de câmbio ressaltam que já se esperava que os cortes de juros fossem prosseguir pela frente, mas não a ponto de levar a Selic muito abaixo de 5%. Assim, foi preciso fazer um rearranjo das carteiras e das apostas dos investidores, pressionando as cotações. Uma das evidências é que, no mercado futuro, o volume de negócios chegou a US$ 20 bilhões, um dos mais altos dos últimos dias. No mercado à vista, foi a US$ 1,6 bilhão, também elevado.

"O Banco Central deixou claro que vai ter novas quedas e o mercado não tinha precificado esse movimento", ressalta o gerente de Tesouraria do Travelex Bank, Felipe Pellegrini. Ao longo do dia, bancos nacionais e estrangeiros cortaram a previsão da taxa de juros e algumas instituições, como o francês BNP Paribas, veem a taxa básica caindo para 4,25%. Pellegrini não vê o dólar caindo para abaixo de R$ 4,00 no curto prazo e acredita que, passado esse primeiro dia após o anúncio do BC, o dólar deve ficar entre R$ 4,05 e R$ 4,10.

"É aquela premissa: juros para baixo, dólar para cima", ressalta o responsável pela área de câmbio da Terra Investimentos, Vanei Nagem. "Como o Brasil perdeu competitividade para o investidor, estava claro que o dólar ia subir, o problema é que a moeda já estava em nível alto", disse ele, ressaltando que agora nesse nível mais valorizado o investidor pode começar a testar se o BC vai entrar no câmbio ofertando dólar à vista.

Além dos juros domésticos, a imprensa chinesa destacou que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está pronto para subir o tom da guerra comercial com a China, podendo aumentar as tarifas americanas sobre bens chineses para 50% ou 100%, caso não haja um acordo comercial em breve. Com isso, o dólar subiu entre os emergentes, com destaque para África do Sul (+0,85%), Turquia (+0,63%) e Colômbia (+0,39%). Já entre divisas fortes, o dólar caiu.

Clique aqui e participe do grupo do Toledo News no WhatsApp. Receba informações em tempo real dos principais acontecimentos de Toledo.

| Fotos: Agência Brasil |
 
 
 
 
 
 
 
PUBLICIDADE
Grupo do Toledo News no WhatsApp
Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL
Toledo: Grupo de Gestão e Benefícios em Saúde lança plano de apenas R$ 24,00 por mês
Renove seu estofado com a Lava Sofá a Seco!
Conheça a Rocket Barbearia e concorra a um voo panorâmico por Toledo
Precisando formatar o computador? A RJK Shop está com preços especiais!
Açai SP inaugura no Jardim La Salle. Entrega grátis em Toledo!