Don Kebab: A 1ª Kebaberia de Toledo, com o sabor da Turquia que ganhou o mundo
 
Terça-Feira, 23 de Abril de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9800-7080

Estilo ao vento: conheça a história do Mini Cabriolet

Auto | 05/02/2019 | 18:12 |
| Fotos: Vrum |
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Mini anunciou a chegada da nova geração do seu compacto com carroceria conversível ao Brasil no final do ano passado. Mas, o que pode causar estranhamento, é saber que o primeiro Mini Cabriolet não é tão antigo como se pode imaginar, tendo sido lançado só em 1993, diferente do que estas fotos do conversível precursor podem indicar. A explicação é simples, já que desde seu lançamento, em 1959, o modelo pouco mudou até que deixou de ser produzido quarenta anos depois.

Ainda que não seja tão antigo como podia se supor, vale a pena conhecer a história desse compacto descapotado. Antes da estréia oficial do modelo, a concessionária Mini Lamm, da cidade alemã de Kappelrodeck, teve a iniciativa de construir um Mini conversível no ano de 1991. Com estrutura reforçada e um subchassi integrado, a qualidade do trabalho de conversão da carroceria impressionou os responsáveis pela matriz da Rover, que era quem fabricava o Mini clássico, no Reino Unido.

A aceitação foi tão boa, que a empresa chegou a produzir uma série de 75 exemplares do Mini Cabrio apenas para o mercado britânico. Depois disso, o conversível foi desenvolvido pela Rover Special Products em parceria com a Karmann (da Alemanha), tendo feito sua primeira aparição pública em outubro de 1992 no British Motor Show, realizado em Birmingham. Logo depois, o conversível entraria em produção na fábrica de Longbridge, no Reino Unido. Graças à capota retrátil com formas precisamente definidas, os contornos tradicionais de um legítimo Mini eram instantaneamente reconhecidos com o teto fechado.

A versão sem capota trazia detalhes exclusivos, como para-choques específicos, caixas de rodas alargadas e adereços nos frisos da soleira. O interior tinha uma alavanca de câmbio de nogueira, volante de couro e tapete de veludo. Havia apenas duas opções de pintura: vermelho Nightfire, com capota vermelha, ou azul Caribe, com teto cinza. Ao todo, 1.081 exemplares do clássico Cabrio foram produzidos até agosto de 1996, e que, mais tarde, acabaram se tornando raridades altamente cobiçados.

O modelo tinha de série capota flexível operada manualmente, enquanto um mecanismo elétrico de abertura era oferecido como equipamento opcional. Sob o capô, a única opção era o motor de quatro cilindros e 63cv de potência, o mesmo usado no Mini Cooper, que, segundo a marca, assegurava fôlego de sobra ao veículo. Com o mecanismo de abertura eletro-hidráulico, o teto retrátil poderia ser totalmente aberto com o apertar de um botão ou parcialmente recuado, na parte dianteira, em 40 centímetros. A partir de então, esta função possibilitou a abertura da capota a velocidades de até 120km/h.

O modelo foi relançado em 2000 como uma espécie de releitura do Mini original, sendo que quatro anos depois havia a opção conversível. A segunda geração do Cabrio foi revelada no Salão de Detroit de 2009, ano que marcou o 50º aniversário da marca, com aprimoramentos no design, motores mais potentes e um interior de qualidade premium. Já a nova geração foi lançada em março de 2018 no mercado europeu com novas atualizações de design e tecnologia.

PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL