Terça-Feira, 16 de Julho de 2019 Fale Conosco Redação: (45) 9.9800-7080
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Amapar emite nota sobre morte de toledano André Luiz Roletto

Toledo | 02/07/2019 | 17:41 |
A AMAPAR, Associação dos Magistrados do Paraná, emitiu na tarde desta terça-feira (02), uma nota sobre o caso do toledano André Luiz Roletto, que morreu enforcado por companheiros de cela no Complexo Médico Penal de Curitiba.

Confira abaixo, a nota da íntegra:

A ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO PARANÁ – AMAPAR, entidade que congrega os juízes e desembargadores da ativa e aposentados do Estado do Paraná, diante das notícias relacionadas com o falecimento do Sr. André Luiz Roletto, vem a público esclarecer os fatos:

1. André Luiz Roletto foi preso em flagrante delito pelo cometimento, em tese, dos crimes de sequestro e cárcere privado, lesões corporais e estupro de vulnerável praticados contra uma criança de cinco anos. Em razão da gravidade desses fatos e da repercussão que tiveram na cidade de Toledo, o Juiz de Direito SÉRGIO LAURINDO FILHO, com fundamento na Constituição, na lei penal e na lei processual penal, houve por bem decretar a prisão preventiva do então indiciado.

2. O processo teve tramitação regular, com observância do devido processo legal. A defesa do então réu, André Luiz Roletto, pretendendo demonstrar sua inimputabilidade em razão de doença mental, requereu sua transferência para o Complexo Médico Penal de Curitiba, para que lá fosse submetido à perícia. Tal pedido foi aceito pelo judiciário.

3. Designou-se perícia para o dia 17 de junho passado, recebendo-se posteriormente a notícia de que o réu não havia sido apresentado para exame médico. A defesa, tão logo soube disso, requereu a concessão de liberdade provisória ao réu ou sua internação na Fazenda da Esperança. O Juízo responsável pelo caso, antes de decidir sobre esse pedido, requereu informações ao Complexo Médico Penal a respeito dos motivos pelos quais não foi realizada a perícia. Providência corriqueira e que se estabelece como cautela, para evitar seja proferida decisão baseada em informações incompletas e que resulte na colocação em liberdade de pessoa sem condições para tanto.

4. Contudo, antes da chegada dessas informações, sobreveio a notícia de falecimento do réu no interior do Complexo Médico Penal. Ressalte-se que foi o advogado do réu quem deu essa notícia, atribuindo ao Judiciário a responsabilidade pelo ocorrido, na presença de familiares do Sr. André Luiz Roletto, em conduta antiética.

5. Dos juízes é exigido decidir com cautela e atenção, sobretudo em situações que envolvem crimes graves, que abalam a comunidade. Decidir açodadamente, com base apenas em informações parciais e enviesadas, significa colocar em risco toda a sociedade.

6. O Juiz de Direito SÉRGIO LAURINDO FILHO, que atuou no processo envolvendo André Luiz Roletto agiu a todo o momento de modo cauteloso, técnico e imparcial, primando pela aplicação do bom direito ao caso. Tanto a afirmação é correta que os dois habeas corpus impetrados pela defesa foram negados por unanimidade pelo Tribunal de Justiça do Estado do Paraná.

7. A Associação dos Magistrados do Paraná - AMAPAR repudia de forma veemente a conduta inapropriada do advogado envolvido no caso que:

a) alterou a verdade dos fatos, afirmando que a remoção do detento para o Complexo Médico Penal foi ato arbitrário do Poder Judiciário, quando em verdade decorreu de requerimento feito pela própria defesa;

b) imputou, de forma inadmissível, a responsabilidade pelo falecimento do detento ao Poder Judiciário.

8. Aos juízes cabe decidir pela concessão de liberdade ou decretação de prisões. Não compete ao Judiciário, porém, a responsabilidade pela incolumidade dos detentos, dever esse que é de agentes do Poder Executivo. Logo, é totalmente incorreto atribuir ao Poder Judiciário a responsabilidade pelo falecimento do Sr. André Luiz Roletto.

9. A Associação dos Magistrados do Paraná - AMAPAR lamenta o ocorrido, ao mesmo tempo em que presta solidariedade ao Juiz de Direito SÉRGIO LAURINDO FILHO que atuou no caso, magistrado operoso e conceituado na comunidade jurídica paranaense e que nada mais fez que exercer regularmente seu papel constitucional.

Curitiba, 2 de julho de 2019.
Conteúdo patrocinado abaixo
PUBLICIDADE
Grupo do Toledo News no WhatsApp
Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.
INSCREVA-SE NA NOSSA NEWSLETTER E RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS POR E-MAIL
Celulares Xiaomi em promoção na RJK Shop de Toledo
Shawarma de Carne Bovina em promoção nesta terça-feira! Clique e confira
Miolo, o vinho da mais alta qualidade, você encontra na Karraro's Conveniência
Bateu? Procure a Rio Chapeação, em frente a Prefeitura. Soluções rápidas e de qualidade
Humberto Gessinger se apresenta no Empório Santa Maria neste final de semana