Gases ou diarreia com frequência? Você pode ter Síndrome do intestino irritável


A síndrome do intestino irritável (SII) de acordo com a Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH) é considerada, a partir do Consenso de ROMA III¹, um distúrbio gastrointestinal funcional, caracterizado por dor, mudança no hábito intestinal, distensão abdominal e constipação e/ou diarreia. Também, dentre outros sintomas frequentes estão o muco nas fezes, urgência retal e flatulência, ou seja, não se demonstra qualquer alteração metabólica, bioquímica ou estrutural dos órgãos envolvidos. O paciente apresenta história de longa duração sem comprometimento do seu estado geral.

A prevalência de acometimento é observada em pacientes na faixa etária entre 30 a 50 anos de idade, entretanto, podendo afetar também a partir dos 15 anos, com redução dessa proporção a partir dos 60 anos e sendo mulheres mais acometidas que homens. No Brasil a SII afeta 10,00 a 15,00% da população, porém, as taxas de prevalência são subestimadas, pois a maioria dos pacientes portadores de distúrbios funcionais digestivos se adapta bem a sua sintomatologia e não procuram assistência médica. Alguns autores admitem que, todas as pessoas têm ou terão em algum momento de suas vidas, sintomas, temporários ou duradouros, sugestivos de SII.

A causa ainda não é bem compreendida, mas acredita-se que diversos fatores podem contribuir para a expressão dos sintomas de uma forma geral. Dentre eles podemos destacar os distúrbios motores (tremores, movimentos involuntários), algumas anormalidades na percepção visceral e na regulação das conexões do sistema nervoso central com o sistema nervoso entérico, fatores psicossociais, ambientais, genéticos e alterações da microflora intestinal e mucosa pós-infecção intestinal (gastroenterite aguda).

O diagnóstico é essencialmente clínico, não ocorrendo anormalidades no exame físico e nos exames laboratoriais, radiológicos e endoscópicos. Segundo a Associação Americana de Gastroenterologia, não existe uma sequência de exames complementares a serem solicitados, ou seja, são realizados de maneira individualizada a cada caso. De acordo com o comitê de especialistas do Consenso de Roma III, a SII é definida pela presença de dor e/ou desconforto abdominal, contínuos ou recorrentes, geralmente localizados no abdome inferior, que ocorrem no mínimo três dias no mês nos últimos três meses e que apresentam duas destas três características: alívio com as evacuações; início associado às mudanças na frequência das evacuações; início da dor associado à alteração na forma e na aparência das fezes. Outros sintomas como urgência evacuatória, sensação de evacuação incompleta, presença de muco nas fezes e distensão abdominal, apenas reforçam o diagnostico da síndrome do intestino irritável.

O tratamento representa um desafio para os especialistas e até o momento não existe uma terapêutica verdadeiramente eficaz, a utilização de medicamentos está indicada para as fases sintomáticas visando apenas aliviar o sintoma mais predominante. As mudanças no estilo de vida, que incluem exercício físico e modificações dietéticas, são sempre prescritas aos pacientes, além da própria terapia cognitiva comportamental. Uma modificação dietética que está se mostrando eficaz na terapêutica da SII é a redução da ingesta de FODMEPs, que é acrônimo de fermentável, oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis.

* As informações contidas nos artigos de colunistas, não necessáriamente, expressam a opinião do Toledo News.

Dr. Leandro Faé

Dr. Leandro Faé
CRM – PR 36.049

CLÍNICA ENDOGASTRO TOLEDO
Cirurgia Geral pelo Hospital Felício Rocho – BH/MG
Endoscopia Digestiva pela Faculdade Suprema – JF/MG
Instagram: @drleandrofae

Converse com Dr. Leandro Faé no WhatsApp
(45) 9.9821-2181